Discussão6 Comentários

  1. Pedro Elizomar de Lavor Cosmo

    Máscara

    Avante, companheiros,
    vamos lutar por uma policia civil melhor,
    por uma policia civil efetiva, eficiente e eficaz.
    Não queremos uma policia de fachada.
    Atenção, o sindicato vem vindo
    e povo vai ver cara cheia de pregas da polícia.
    A polícia que o governo tenta mostrar maquiada, pintada, cheia de tintas.

  2. Presidente!
    Observando as ameaças efetuadas pelo judiciário, que diz que imporá multa abusiva
    de R$ 50.000,00 por dia de paralização, que só vê os salários dos seus servidores, que
    é na proporção – em regra – de três vezes os salários dos nossos companheiros, embo-
    estejam eles em função equivalente, na mesma unidade federativa, enfim… Compro-
    metemo-nos a pagar, via desconto em folha, se preciso pelo resto da vida, os valores
    desejados pelo douto julgador do TJ. Não é justo furar os olhos de servidores que ‘
    já estão endividados, que moram mal, que não podem estudar em uma boa escola,
    que não tem dignidade enquanto policial civil, que está limitado a frequentar ambientes
    em que se exigem um valor maior no seu lazer e dos seus familiares… (se é que podemos
    dizer que temos lazer) Mas, neste mundo injusto em que a justiça enxerga pouco, em que
    dois mundos são a regra de quase tudo, onde uns riem do excesso do seu prato cheio, ao
    passo em que outros choram pelo pouco presente a sua mesa, tudo é possível. Por outro
    lado, na hora do “pega pra capá”, na hora em que se precisa da polícia ou dos guerreiros
    e exímios investigadores, a conversa muda e os pseudos-elogios afloram a tudo e a todos.
    Que mundo desigual, que mundo injusto… Afinal,” façam o que eu digo, mas não façam o
    que faço”. “DURA LEX CEDE LATEX.”
    Sérgio Teotônio é comissário de polícia civil.

  3. Presidente!
    Observando as ameaças efetuadas pelo judiciário, que diz que imporá multa abusiva
    de R$ 50.000,00 por dia de paralização, que só vê os salários dos seus servidores, que
    é na proporção – em regra – de três vezes os salários dos nossos companheiros, embo-
    estejam eles em função equivalente, na mesma unidade federativa, enfim… Compro-
    metemo-nos a pagar, via desconto em folha, se preciso pelo resto da vida, os valores
    desejados pelo douto julgador do TJ. Não é justo furar os olhos de servidores que ‘
    já estão endividados, que moram mal, que não podem estudar em uma boa escola,
    que não têm dignidade enquanto policiais civis, que estão limitados a frequentar ambientes
    em que se exigem um valor maior no seu lazer e dos seus familiares… (se é que podemos
    dizer que temos lazer) Mas, neste mundo injusto em que a justiça enxerga pouco, em que
    dois mundos são a regra de quase tudo, onde uns riem do excesso do seu prato cheio, ao
    passo em que outros choram pelo pouco a sua mesa, tudo é possível. Por outro lado, na hora
    do “pega pra capá”, na hora em que se precisa da polícia ou dos guerreirose exímios investiga-
    dores, a conversa muda e os pseudos-elogios afloram a tudo e a todos.
    Que mundo desigual, que mundo injusto… Afinal,” façam o que eu digo, mas não façam o
    que faço”. “DURA LEX CEDE LATEX.”
    Sérgio Teotônio é comissário de polícia civil.

  4. O secretario de administraçao do estado deu uma entrevista na radio jornal, e acho que a sociedade merece um esclarecimento, pois ele falou muitas inverdades sobre a situaçao do nosso movimento, e sobre o tratamento dado a categoria.

  5. Ricardo Figueiredo

    O Governo do Estado tá tentando apagar o fogo com gasolina. Não é radicalizando que eles vão resolver o impasse que hoje existe à respeito dos salários, gratificações, condições de trabalho, resumindo sobre a dignidade do policial civil. Nós sabemos nosso valor, mas não temos nem de longe o reconhecimento que merecemos. Nesse momento, mas do que nunca, é preciso que a categoria esteja unida e em sintonia com a direção do SINPOL-PE. Não podemos deixar que o Governo sufoque nosso movimento, pois ele é legítimo. O Governo alega falta de condições para negociar com a categoria e fala que já ultrapassou o limite de gastos com a folha de pagamento. Eles usam como desculpa o momento econômico que o país passa para justificar essa “falta de respeito”, todavia, foi divulgada ontem uma pesquisa que em 9 Estados brasileiro a produção industrial cresceu, ou seja, não vivemos aqui no Estado um momento de desaceleração da economia, visto que a indústria cresceu 1,4%. Mas vamos deixar esses detalhes econômicos, o que eu espero é que a categoria esteja atenta a toda essa movimentação e que dê respaldo a fala dos nossos diretores. Essa briga é de todos, não apenas da direção do SINPOL. Os diretores são representantes da categoria da qual eles também fazem parte e pela qual estão brigando, mas repito, a briga é de todos. A categoria deve aproveitar que agora nossos representantes da direção do sindicato e não representantes do Governo que foi até recentemente.
    Um abraço a todos os guerreiros que estão vestindo a camisa.

    Ricardo Figueiredo
    Comissário de Polícia

    • Ricardo Figueiredo

      A categoria deve aproveitar que agora temos nossos representantes da direção do sindicato e não representantes do Governo como foi até recentemente.
      Um abraço a todos os guerreiros que estão vestindo a camisa.

Deixe seu comentário