Os trabalhadores contratados para a construção do novo Instituto Médico Legal (IML) de Petrolina decidiram cruzar os braços nesta quinta-feira (15). Contratados da empresa Construtora AR, eles protestam contra a falta de pagamento dos salários em dia além da falta de registro na carteira de trabalho (CLT). Ainda segundo os trabalhadores, a obra não apresenta adequações necessárias no que diz respeito à segurança.

A reforma do IML de Petrolina é um pleito antigo do Sindicato dos Policiais Civis de Pernambuco. O presidente do SINPOL, Áureo Cisneiros, lembra que as obras já deveriam ter sido concluídas no mês de dezembro, o que não aconteceu. Em recente visita ao Sertão do São Francisco, Áureo comentou a situação. “As obras estão atrasadas, já que há uma decisão judicial que deu seis (6) meses para o governador Paulo Câmara reconstruir a entidade e até agora nada. Nós vamos continuar fiscalizando e cobrando a execução da obra. O profissional da Polícia Civil precisa de um ambiente mais humanizado e com condições de trabalho para atender a população de Petrolina e região”, comentou.

Deixe seu comentário