O Ministério Público de Pernambuco (MPPE) instaurou inquérito civil para investigar os indícios de que a Secretaria de Defesa Social (SDS) comprou munição para as polícias Civis e Militar com valor bem acima do mercado. A denúncia partiu da Confederação de Tiro e Caça do Brasil, localizada no Rio de Janeiro.

O MPPE investiga a aquisição de 500 mil munições de vários calibres que custou cerca de R$3 milhões aos cofres públicos do Estado. A Companhia Brasileira de Cartuchos foi a empresa fornecedora das munições destinadas às armas usadas por policiais pernambucanos.

“Não bastasse a falta de condições de trabalho, a defasagem no efetivo e a falta de investimento na Polícia Civil, ainda temos que ver o dinheiro do povo pernambucano sendo usado em superfaturamento? Enquanto isso pessoas são mortas e crimes não são esclarecidos. Pernambuco está entregue às baratas”, comentou o presidente em exercício do SINPOL, Rafael Cavalcanti, que completou: “esse é mais um problema estabelecido pela falta de gestão em PE e pelo cartel das empresas nacionais de fornecimento, tanto de arma quanto de munições, que fornecem materiais de péssima qualidade, com preços acima do de mercado e com a conivência dos governos estaduais”.

Deixe seu comentário