Mesmo em meio a uma pandemia sem precedentes, que tem afetado o mundo inteiro, o abuso de pode por parte do Estado de Pernambuco nao para. Tomamos conhecimento, ontem (1), que o Presidente do Sinpol, Áureo Cisneiros, recebeu uma punição de 20 dias de suspensão em um processo administrativo totalmente ilegal, simplesmente por ter criticado o Governador, em 2018, durante um ato que reivindicava o direito a liberdade sindical. A resposta do governo foi dada com mais um ato de perseguição, ironicamente.

Além da punição de 20 dias de suspensão no salário, o Governador ainda instaurou mais um processo administrativo contra Áureo. Dessa vez, o “motivo” foi o início campanha salarial dos Policiais Civis em 2020; e por denúncias que apontavam, novamente, a falta de estrutura nas Delegacias/Institutos e Departamentos da PCPE. É simplesmente revoltante que o Governo Estadual em vez de sentar, conversar e negociar com os trabalhadores que estão enfrentando a violência na ponta, prefira a truculência contra os servidores públicos.

Para Áureo, “é lamentável que em plena pandemia o governo do estado esteja se ocupando em perseguir um servidor público que exerce representação sindical. Estou sendo punido por cumprir o meu papel como presidente do Sinpol, cobrando melhores condições de trabalho para minha categoria. Pior, fui condenado em um processo totalmente viciado, sem o direito a ampla defesa ou contraditório. Em nenhum momento fui intimado, não sei quem são as testemunhas e muito menos tive direto a me defender desse verdadeiro absurdo. Fala-se muito que Bolsonaro é fascista, mas quero lembrar o governador de que perseguir críticos é uma expressão fascista, cometida por representantes do Partido Socialista Brasileiro (PSB). No mínimo contraditório”, avalia.

Aproveitando o ensejo, o Sinpol anuncia que em breve, no final do ano, Áureo Cisneiros não será mais presidente do sindicato e que não mais concorrerá ao cargo, já que por iniciativa dele mesmo o estatuto da entidade só permite uma reeleição, para evitar o que acontece em boa parte dos sindicatos, quando pessoas se perpetuam no poder indefinidamente. Por isso, a defesa de Áureo não é apenas a defesa do servidor público, pessoa física, mas é a defesa simbólica da Instituição Sindical que representa os Policiais Civis no estado de Pernambuco.

É a garantia de que os próximos presidentes e diretores do SINPOL terão “proteção” para proteger e denunciar as precariedades das estruturas na PCPE e por brigar por melhores salários. Um ataque ao presidente do SINPOL é um ataque a todo funcionalismo público de Pernambuco e do Brasil. Não podemos deixar que o Sindicato fique refém de um governo que não respeita quem defende a sociedade da criminalidade. Áureo já acumula 17 PADS e ainda tem um de demissão na mesa do Governador. A luta vai continuar!!!

Deixe seu comentário