A segunda-feira foi um dia de luta e manifestação em todo o Brasil contra a votação da Proposta de Emenda Constitucional 287/2016, que altera as regras da Previdência Social, proposta pelo presidente ilegítimo Michel Temer. No Recife, centrais sindicais, movimentos populares e estudantis, partidos políticos e sindicatos se reuniram no Parque 13 de Maio, na área Central do Recife, no “Dia Nacional de Lutas Contra a Reforma”.

A manifestação foi em direção à agência do INSS na av. Dantas Barreto e pediu a derrubada da PEC que prevê, entre outras coisas, aumento da idade mínima para a aposentadoria. Resultado da pressão das ruas, a proposta acabou sendo retirada da pauta pelo presidente do Congresso Nacional, o senador Eunício Oliveira.

A diretoria do SINPOL esteve presente durante toda a manifestação. Para o presidente do Sindicato dos Policiais Civis, Áureo Cisneiros, o povo não pode baixar a guarda. “A população deve ficar consciente que essa reforma perversa proposta pelo governo mais impopular da história do Brasil ainda não foi sepultada. Vai precisar de muita luta. O governo golpista do Michel Temer quer acabar com a aposentadoria do povo brasileiro e nós não podemos admitir. Os trabalhadores são 95% desse país e não podemos nos dar por vencidos”, destacou Áureo.

Áureo Cisneiros falou ainda sobre o problema da segurança pública, em especial da crise em que vive o Rio de Janeiro e sobre a intervenção militar. “Eu sou policial e sei muito bem que o problema da segurança pública não vai ser resolvido com intervenção militar. O problema da segurança pública no Brasil é a falta de investimentos, planejamentos e políticas públicas sociais. É preciso que a população esteja atenta e não se deixe enganar por mais um golpe midiático. Nós já vimos isso na década de 60 com o golpe militar”, alertou.

Deixe seu comentário