Ao final de uma passeata que concentrou mais de mil policiais pelas ruas do Recife, o Sinpol (Sindicato dos Policiais Civis de Pernambuco) reuniu-se com o secretário-executivo da Casa Civil, Marcelo Canuto, e exigiu uma resposta definitiva para sua pauta de reivindicações entregue ao Governo em 30 de janeiro deste ano. O Governo do Estado prometeu a resposta ao sindicato do dia 25 de junho. “Nós dizemos ao secretário que não aceitamos empurrar com a barriga, que a categoria não aceita lengalenga”, disse Áureo Cisneiros, presidente do Sinpol.

Os policiais civis farão uma assembleia em 26 de junho e vão deliberar se aceitam ou não o que será oferecido pelo Governo no dia anterior. É possível que nesta assembleia seja levantada a proposta que determina que todos os policiais devam se negar a trabalhar no Programa Jornada Extra de Segurança (PJES). Hoje, no Estado de Pernambuco, o PJES é responsável por quase a totalidade dos plantões policiais, visto que a polícia civil no Estado trabalha com cerca de 40% do efetivo, se comparado ao número ideal de policiais civis que deveriam estar em atividade.

“Estamos nessa jornada por nossa valorização e não vamos abrir mão dela. A polícia civil está unida e com um objetivo. Pedimos que o Governo negocie objetivamente e resolva conosco nossas questões”, disse Áureo.

Ao mesmo tempo, foi mantida a Operação Polícia Cidadã, onde o sindicato conscientiza os policiais a não realizarem nenhuma atividade além de sua função. Para isso, será mantida a distribuição do Manual da Polícia Cidadã, com toda legislação específica da categoria, além das patrulhas sindicais, que continuarão visitando as delegacias do Estado. Também, foi determinado que o Sinpol vai dar apoio jurídico ao policial que, por livre vontade, não queira trabalhar em sua folga nos festejos juninos.

PARALISAÇÃO E PASSEATA

Foi realizada, novamente com sucesso, a paralisação de 24h da polícia civil de Pernambuco. Começando às 00:01 de 18 de junho, teve novamente um decréscimo de cerca de 90% de registro de Boletins de Ocorrência, setores da polícia civil nos Expressos Cidadão fechados, nenhuma emissão de documentos, além de cancelamento de investigações e diligências.

As 17h03, também deste 18 de junho, os policiais civis iniciaram uma passeata que percorreu a avenida Cruz Cabugá, rua do Hospício, avenida Conde da Boa Vista, rua da Aurora e terminou em frente ao Palácio do Campo das Princesas. Na Conde da Boa Vista, moradores dos apartamentos promoveram uma chuva de papel picado, saudando o protesto dos policiais.

Já na assembleia da categoria, participaram os deputados estaduais Joel da Harpa (PSL) e Edilson Silva (Psol), além do presidente da Uneppe (União dos Escrivães de Polícia de Pernambuco), Divanildo Gonçalves da Silva e o assessor jurídico do Sinpol Sávio Delano.

 

 

 

Discussão3 Comentários

  1. Fernando J.C de Andrade

    Acho, que o Simpol através do Portal da transparência , o contra cheque do primeiro escalão do governo, Poder executivo, dos Deputados, Poder legislativo, e OS jUÍZES, e Promotores de justiça, que formam o poder judiciário, e compara o percentual de aumento que tiveram em seus contra cheques entre 2014,e 2015, mandar imprimir vários com ampliação, para que possamos mostrar a sociedde que a lei de responsabilidade fiscal, ão é para todos, a Isonomia passa longe de ser respeitada. E divulgar por todos os meios de comunicação,o motivo das nossas reinvindicações … PS O SIMPOL através do portal da transparência , deveria acessar ………

    • Bartolomeu Pereira de Lima

      Acho também, que o nobre colega, está coberto de razão, pois sempre foi assim os alto escalão do Governo e de Justiça, nos três níveis de poder, sempre burlaram a léi para legislar em causa própria, principalmente os parlamentares, que brincam com o dinheiro do povo como querem. E nós, que damos segurança a eles e a sociedade que a cada dia também é enganada com os aumentos dos impostos, a cada dia ficamos para trás. Temos que radicalizar porque não dar para negociar com o Governo mentindo tanto.

  2. meus sentimentos a família do companheiro , Sandrak, o qual tive o prazer de trabalhar na cidade de são vicente ferré.
    ser policial, um dom , sonhado por muitos, realizado por poucos. vamos a luta por dignidade e profissionalismo .

Deixe seu comentário