Na última terça-feira (30), diversas entidades ligadas à segurança pública de Pernambuco obtiveram vitórias representativas contra as reiteradas arbitrariedades e perseguições cometidas pelo atual Corregedor Geral da SDS, Servilho Paiva.

Pela manhã, as entidades representantes dos Policiais Civis, Militares, Rodoviários Federais, Bombeiros, Agentes Penitenciários e Guardas Municipais, reuniram-se com o Ministério Público para denunciar os abusos. Na ocasião, o SINPOL apresentou e protocolou um dossiê que servirá para fundamentar a abertura de inquérito que investigará a conduta do Corregedor.

Em seguida, as entidades formaram uma comitiva e foram à Assembleia Legislativa de Pernambuco, onde seria apreciado um requerimento que concederia o título de cidadão pernambucano a Servilho. Visitamos inúmeros gabinetes, conversamos com deputados, articulamos com a mesa diretora e com isso conseguimos tirar da ordem do dia a apreciação da proposta, que surge justamente quando os agentes da segurança pública de Pernambuco decidem dar um basta nessa realidade.

Discussão3 Comentários

  1. Como comissário de polícia civil, há anos, venho sempre dizendo e questionando, por quê, os policiais civis não têm o mesmo direito que os PMS, de voltarem para trabalhar após se aposentarem, com um cargo não existente de Guarda Patrimonial,(não se pode ter dois cargos em uma mesma entidade) e se eles têm esses, nos deveríamos ter também. Vamos brigar por isso.

  2. A minha gente sofrida olha de lado, porém nunca de cara pro chão. Tomara que o bravo Simpol/PE e demais órgãos de Segurança Pública instalem uma Comissão Mista para coletar denúncias de abusos da Corregedoria, possibilitando a coleta de relatos, provas e outras injustiças infringidas aos nossos heróicos policiais.
    As categorias não podem ser tratadas com baixos salários, condições insalubres de trabalho, desprestígio insitucional, esvaziamento do quadro funcional, desestruturação tecnológica e perseguições pessoais com punições descabidas decorrentes de processos arbitrários. A Corregedoria adotou a postura de PUNIR sem prova e sem fundamento jurídico. Apurem-se as tiranias encabeçadas por Servilho e destituam-se todos os corregedores envolvidos em tais atos.

  3. Vem vamos embora que esperar não fazer. Quem sabe faz agora, não espra acontecer. Agora é a hora dos policiais se mobilizarem em prol do reconhecimento da honradez. Vamos estancar as perseguições e louvar os gestos heróicos do nosso Simpol. SOLIDARIEDADE AOS NOSSO DIRETORES PERSEGUIDOS.

Deixe seu comentário