O combate à violência contra a mulher se faz com investimento e valorização na Polícia Investigativa, iniciativa que o governo de Pernambuco sequer prioriza. Manter o funcionamento de todas as Delegacias da Mulher é o mínimo que o governo pode fazer para garantir a segurança das pernambucanas, porém, nem isso é feito. Como resultado desse total descaso, Pernambuco tornou-se o estado que mais registra casos de violência contra a mulher. No Brasil, cinco estados registraram, juntos, 409 feminicídios em 2021, ou seja, assassinato de mulheres cometidos em função da vítima ser do gênero feminino. A constatação é da Rede de Observatórios da Segurança, que monitora a violência nos estados de São Paulo, Pernambuco, Bahia, Rio de Janeiro e Ceará.

Em Pernambuco, convivemos com o descaso do Governo diante de números alarmantes. Segundo os números da SDS, houve, em 2021, 40.964 vítimas de violência doméstica e familiar do sexo feminino, indicando que a cada hora, quatro mulheres sofrem pela falta de direcionamento das políticas de segurança pública, especialmente o combate à violência contra as mulheres. Como se não bastasse, se uma cidadã pernambucana quiser procurar uma delegacia nos fins de semana ou fora do horário de expediente, justamente os períodos que mais ocorrem episódios desse tipo de violência, só encontrará apenas duas delegacias de plantão: no Recife e em Caruaru.

É dessa forma que o Governo do Estado trata a população feminina, que é maioria no estado. O SINPOL tem cobrado sistematicamente melhores condições de trabalho nas delegacias especializadas da mulher, a instalação de mais unidades da Delegacia da Mulher permitindo a cobertura de todas as regiões pernambucanas. Além de reforçar o pedido de investimento na estrutura de todas as delegacias do estado, que sofrem com o abandono e o improviso por parte do Governo de Pernambuco.

Deixe seu comentário